NEE

O que é Dispraxia: sintomas, tipos e tratamento

Cláudia Pereira
Escrito por Cláudia Pereira

A dispraxia é uma alteração que ocorre no cérebro que faz com que a criança afetada tenha dificuldade na coordenação motora, apresente alguma dificuldade na fala ou na sua orientação no espaço, o que a torna um pouco estranha, desajeitada ou trapalhona.


Embora normalmente a dispraxia seja diagnosticada na infância, entre os 3 e 5 anos de idade, esta alteração também pode surgir em adultos que sofreram um AVC ou um traumatismo craniano.

Sintomas de Dispraxia

São sinais característicos de dispraxia:

  • Fraca coordenação motora, pode tropeçar nos próprios pés;
  • Postura inadequada;
  • Fraca noção de espaço;
  • Sensibilidade ao toque;
  • Dificuldade em jogar jogos com bola;
  • Dificuldade em pular, saltar, patinar ou andar de bicicleta;
  • Lentidão ao vestir-se;
  • Dificuldade com a escrita e má caligrafia;
  • Problemas de fala: lentidão em aprender a falar e possível incoerência na fala;
  • Fobias ou comportamento obsessivo.

Diagnóstico de Dispraxia

Ao observar uma criança com dispraxia pode-se observar o esforço que faz para comer, segurar no lápis, desenhar, andar numa linha reta ou jogar bola com outras crianças. Isso requer um grande esforço que nem sempre é bem sucedido e que atrapalha a socialização e a auto-estima dessa criança.

O diagnóstico pode ser feito pelo médico neurologista, que está mais habituado a lidar com outros casos semelhantes. Não há necessidade de exames específicos e somente o relato dos pais é suficiente para se chegar ao diagnóstico clínico da dispraxia.

Normalmente quem tem dispraxia também possui outras alterações, como atraso no desenvolvimento, TDAH, autismo ou dislexia, mas existem casos onde a dispraxia se manifesta de forma isolada, principalmente quando surge na vida adulta, após um comprometimento cerebral.

Tratamento para Dispraxia

O tratamento é feito através de terapias que ajudam o indivíduo a melhorar a sua capacidade de movimentação coordenada, a segurar no lápis, caneta ou pincéis e a fonoaudiologia pode ajudar a melhorar a questão da fala. O tratamento deve ser feito com o profissional 1 vez por semana, mas existem tarefas que podem ser indicadas para serem treinadas diariamente, dentro de casa, para alcançar resultados mais rápidos. Não há necessidade da toma de medicamentos somente pela dispraxia. Conheça alguns exercícios indicados para dispraxia.

Sobre o Autor

Cláudia Pereira

Cláudia Pereira

Educadora Social, formadora certificada, especialista em educação, dificuldades de aprendizagem e necessidades educativas especiais.
Empreendedora digital, criativa e apaixonada por implementar novas ideias!