Gravidez

Remédios que a grávida não pode tomar

Marcelle da Costa
Escrito por Marcelle da Costa

A toma de medicamentos na gestação, particularmente no 1º trimestre, é arriscado devido ao fato de muitos remédios conseguirem atravessar a barreira placentária e ir diretamente ao feto em formação, exatamente no período em que existem os maiores desdobramentos embrionários, que podem causar graves danos ao bebê.


A mulher que está grávida só deve tomar algum remédio quando indicado pelo seu médico, considerando seus riscos e benefícios. De forma geral, os medicamentos classificados como sendo de categoria A (poucos) podem ser usados, sem qualquer risco para o bebê. Conheça alguns dos exemplos mais comuns:

Analgésicos:

Basicamente o analgésico e antitérmico mais seguro para tomar na gravidez é o Paracetamol, mas a dose máxima deve ser de 1g por dia. A dipirona pode ser uma alternativa viável, mas outras composições são contra-indicadas durante a gestação porque podem ter consequências desagradáveis para a mãe e/ou para o bebê.

Anti-inflamatórios:

  • Ácido Acetilsalicílico
  • Nimesulida

Estes tem risco elevado de provocar alterações teratogênicas no bebê, sendo de risco C.

Remédios para pressão alta:

  • Captopril;
  • Metildopa;
  • Nifedipino;
  • Atenolol.

Estes tem elevado grau de toxidade, podendo causar danos no bebê.

Anticoagulante:

  • Warfina

Categoria X, ocasionando má formações de crianças.

Diuréticos:

  • Furosemida;
  • Espironolactona.

Estes tem risco C e D respectivamente, com riscos e danos que podem superar os benefícios, como a inibição do parto ou da lactação.

Corticóides:

  • Prednisona.

É de risco B mas pode atravessar a barreira placentária e passar para o leite materno.

Antifúngicos:

  • Cetoconazol;

Atravessa a placenta e pode provocar problemas fetais durante o primeiro trimestre da gravidez. Recomenda-se não tomar durante a gravidez e a lactação.

Retinóicos:

  • Isotretinoina;

Categoria D, causando a teratogenia, e geração de defeitos permanentes no feto.

Antidepressivos:

  • Amitriptilina;

Categoria C, os possíveis benefícios devem ser confrontados contra os eventuais riscos para a mãe e a criança.

Diversos estudos científicos apontam para os perigos relacionados ao uso indevido de medicamentos durante a gravidez. As mulheres em idade fértil e que podem engravidar a qualquer momento devem estar sempre atentas ao fato de que pode estar grávida antes de tomar algum remédio. A automedicação pode trazer sérias consequências para a mãe e para o bebê.

Remédios naturais também são proibidos na gravidez?

Sim. Mesmo os remédios naturais e os chás não devem ser consumidos deliberadamente na gravidez, mesmo o chá de camomila pode ser prejudicial quando consumido em excesso, por isso é bom não abusar. Tomar  1 xícara de chá uma vez ou outra não deve ser prejudicial, mas é sempre bom ficar atenta.

Referência Bibliográfica

Ribeiro, Alinne Souza, et al. Risco potencial do uso de medicamentos durante a gravidez e a lactação. Infarma, ciências farmacêuticas. V. 25, Nº 1, 2013.

Sobre o Autor

Marcelle da Costa

Marcelle da Costa

Fisioterapeuta credenciada, com formação em Psicomotricidade e Desenvolvimento Infantil.
Empreendedora social, prática e sempre pronta a ajudar!