Saúde Infantil

Pneumonia Infantil: sintomas e como tratar

Marcelle da Costa
Escrito por Marcelle da Costa

A pneumonia é uma infeção respiratória bastante comum, mas que se não for tratada de forma adequada pode agravar e causar a morte, especialmente nas crianças com menos de 5 anos de idade. Essa doença pode ser adquirida na comunidade ou no meio hospitalar, caso a criança tenha o sistema imune comprometido ou esteja respirando com a ajuda de aparelhos.


A vacina contra pneumonia realmente protege contra essa doença, no entanto, são precisas 3 doses desta vacina, sendo a última dose ministrada aos 12 meses, o que aumenta o risco das crianças com menos de 1 ano de idade serem afetadas. Desde a implementação desta vacina no plano nacional de vacinação notou-se uma diminuição dos casos de pneumonia adquirida na comunidade, isto é, fora do hospital. Saiba mais sobre as vacinas contra pneumonia aqui.

Principais sintomas

Os sintomas de pneumonia surgem após um resfriado ‘mal curado’, com o passar do tempo nota-se que a criança, ao invés de melhorar, piora apresentando:

  • Febre baixa (pneumonia viral) ou alta (pneumonia bacteriana);
  • Tosse seca (pneumonia viral) ou com expetoração (pneumonia bacteriana);
  • Dificuldade para respirar;
  • Nota-se movimentos da asa do nariz e na barriga.

Para confirmar que realmente é uma pneumonia, é preciso levar a criança para ser avaliada pelo médico. Na consulta ele deve verificar a temperatura corporal, observar os sintomas e fazer a ausculta pulmonar. Quase sempre o médico solicita um exame de raio-x para avaliar o comprometimento pulmonar. Se achar que os sintomas são graves poderá solicitar também exames para identificar os micro-organismos que estão causando pneumonia para o uso de antibióticos específicos, mas em muitos casos, inicia-se o tratamento com um antibiótico de amplo espectro antes disso. E somente se não houver melhora dos sintomas em 3 dias, é que se faz o ajuste da medicação.

Formas de tratamento

O tratamento da pneumonia é sempre feito com o uso de antibióticos, o que varia de acordo com a gravidade da doença e do tipo de agente causador. Nem sempre é preciso que a criança fique internada no hospital, podendo ser feito em casa, especialmente nos casos mais simples de se resolver.

O internamento por causa da pneumonia fica reservado para os casos onde há:

  • Quando é necessário o uso de máscara de oxigênio;
  • Bebês muito novos, com menos de 2 meses de vida;
  • Quadro de insuficiência respiratória aguda;
  • Incapacidade de tomar o antibiótico em forma de xarope, por algum motivo;
  • Quando a criança tem outras doenças de base que possam dificultar o tratamento da pneumonia;
  • Baixa condição financeira e suspeita de que a família possa não oferecer os cuidados necessários.

Quando se recomenda o tratamento em casa é preciso que a família tenha alguns cuidados para acelerar a recuperação, sendo importante que a criança tome a medicação na hora certa, possa dormir tranquilamente e tenha uma alimentação adequada, de fácil digestão e com bastante líquidos. A família também deve ficar atenta a criança e observar se existe uma melhora ou piora da situação nos primeiros 3 dias da toma do antibiótico receitado pelo médico.

A pneumonia não é contagiosa e por isso não há necessidade de manter a criança afastada dos outros membros da família, embora não seja recomendado frequentar a creche e a escola, para que se recupere mais rápido.

Bibliografia

  • Pneumonias agudas na criança. Boletim da Sociedade de Pediatria de São Paulo. 2016.
  • Pneumonia adquirida na comunidade em crianças e vacinação antipneumocócica 10 valente: atualização. Maria de Fátima Bazhuni Pombo March e Alexandre Nicolau Galvão. Universidade Federal Fluminense. 2018.

Sobre o Autor

Marcelle da Costa

Marcelle da Costa

Fisioterapeuta credenciada, com formação em Psicomotricidade e Desenvolvimento Infantil.
Empreendedora social, prática e sempre pronta a ajudar!