Autismo Saúde Infantil

Fisioterapia para Síndrome de Asperger

Marcelle da Costa
Escrito por Marcelle da Costa

O tratamento para Síndrome de Asperger envolve terapias que devem ser realizadas, principalmente na infância e adolescência para elevar as capacidades do indivíduo. A fisioterapia tem grande importância para o desenvolvimento psíquico e motor, sendo indicada para todos os casos, sendo que a estimulação psicomotora é uma excelente ferramenta para melhorar a vida do próprio indivíduo e de sua família.


Embora a Síndrome de Asperger não esteja diretamente relacionada com alterações do movimento, alguns trabalhos científicos apontam que de 50 à 90% das crianças portadoras desta síndrome apresentem dificuldade na coordenação motora,  o que acaba afetando sua capacidade motora global e a motricidade fina.

A Síndrome de Asperger é um tipo de autismo que normalmente é diagnosticado na infância, por volta dos 8 anos de idade. Suas principais características são a dificuldade de socialização com outras crianças, dificuldade na comunicação verbal e não-verbal, dificuldades na percepção e interpretação das emoções dos outros e na demonstração das suas próprias emoções e também a falta de coordenação motora, que tem se mostrado bastante presente. Saiba mais características da Síndrome de Asperger.

Exercícios para Síndrome de Asperger

Locomoção

Característica: Na marcha e na corrida as pessoas com Síndrome de Asperger têm movimentos desajeitados, tipo “marioneta” e muitas vezes o movimento do corpo não é acompanhado pelo balançar dos braços e há uma má coordenação dos movimentos de braços e pernas, apresentando dificuldade em andar numa linha reta.

Exercícios: Levantar e agachar, andar numa ‘corda bamba’, agachar em cima de um bozu, subir e descer escadas de mãos dadas com o terapeuta.

Jogos de bola

Característica: A capacidade para apanhar e atirar a bola com precisão é uma das capacidades particularmente afectada. Isso tem consequências sociais, pois a criança é excluída por ser considerada um “estorvo”. Frequentemente tem dificuldade em jogar bola com as mãos e o chutes na bola não são precisos.

Exercícios: Realizar jogos com bola que sejam possíveis de serem realizados sem tanta frustração. Segurar uma bola e passar de uma mão para a outra, tentar acertar a bola dentro de um cesto, chutar a bola para o gol.

Equilíbrio

Característica: Afecta a capacidade de usar certos equipamentos no recreio ou de fazer determinadas actividades na ginástica. Na infância também pode apresentar dificuldade em permanecer apoiado num só pé, de olhos fechados.

Exercícios: Andar em linha reta e em zigue-zague, andar de olhos fechados, brincar de cabra cega, dissociação de cintura com a bola de Pilates.

Destreza manual

Envolve a capacidade para usar as duas mãos: aprender a abotoar-se, a vestir-se, a atar os cadarços dos sapatos ou a utilizar os talheres, que normalmente fica comprometida. Os trabalhos manuais escolares com tesoura são uma dificuldade comum assim como a má caligrafia, com letras difíceis de entender ou grandes demais para as linhas do caderno.

Exercícios: Escrever numa caixa de areia, desenhar vales e montanhas com linhas tortuosas, pintar com diferentes tipos de pincéis, usar jogos didáticos.

Caligrafia

Característica: A escrita que se torna por vezes indecifrável da criança, o que pode provocar a recusa de escrita ou actividades associadas por parte da criança.

Exercícios: Realizar diversos trabalhos manuais, recortes com tesoura, colagens, pintura com os dedos em diferentes materiais e texturas, melhorar a interação entre olhos e mão, com exercícios como enfiar uma linha numa agulha de crochê (de brincar).

Ritmo

Característica: É extremamente difícil para a criança sincronizar os movimentos rítmicos com os de outra pessoa durante o caminhar, ou num acompanhamento musical, ficando difícil acompanhar uma música com palmas, mantendo o ritmo correto.

Exercícios: Dançar ao som da música e sem música, fazer barulhos com a boca, como se fosse um instrumento musical, usar tambores para produzir sons, estimular a criança a acompanhar uma sequência de batimentos com as mãos.

Frequência ideal da estimulação psicomotora

O ideal é que o portador de Síndrome de Asperger seja estimulado diariamente, tendo o maior tempo possível de ‘tratamento’. Isso quer dizer que os pais tem papel fundamental no desenvolvimento dessa criança e devem optar por realizar, pelo menos, 1 hora diária de exercícios.

As brincadeiras são as melhores formas de estimular o desenvolvimento motor e cerebral destas crianças. Assim, além das sessões de fisioterapia, com ênfase na psicomotricidade, que devem ser realizadas semanalmente, os pais devem brincar com seu filho todos os dias, com esse tipo de brincadeira que ajuda no seu desenvolvimento.

Sobre o Autor

Marcelle da Costa

Marcelle da Costa

Fisioterapeuta credenciada, com formação em Psicomotricidade e Desenvolvimento Infantil.
Empreendedora social, prática e sempre pronta a ajudar!