NEE

Dispraxia: testes para diagnosticar este transtorno

Marcelle da Costa
Escrito por Marcelle da Costa

A dispraxia é uma alteração onde a criança afetada apresenta dificuldade de coordenação motora, sendo commumente chamada de ‘estabanada’ pois bate nas portas ao passar e tropeça em objetos no chão, por exemplo. A dispraxia também pode se manifestar na fala, com a dificuldade de pronunciar palavras e pode indicar um processo de aprendizagem diminuído e consequente baixo rendimento escolar.


Diagnóstico da Dispraxia

Claramente que não é porque a criança é um pouco estabanada que ela apresenta mais dificuldade escolar, sendo necessária uma investigação médica para que se chegue ao diagnóstico clínico. O diagnóstico da dispraxia pode demorar anos para chegar mas uma avaliação com professores, médico, psicomotricista e neurologista pode revelar essa alteração.

De acordo com a idade deve-se investigar:

  • 2-18 anos: Teste da integração Visual-Motora (VMI) – Avalia a leitura e escrita, sendo pedido que a criança/adolescente copie uma folha com texto e gráficos;
  • 3-16 anos: Alterações nos movimentos finos, destreza manual, habilidade com a bola, equilíbrio corporal parado e em movimento;
  • 4-12 anos: Teste de Goodenough – A criança deve desenhar um homem, uma mulher e ela mesma. Ajuda a identificar a maturidade conceptual e intelectual.

Existem ainda outros dois testes:

  • Teste de habilidade visual não motora: (TVPS) – Avalia a capacidade da criança de ouvir o que é pedido e o desenho que é realizado.
  • Teste das habilidades Auditivo-Perceptual revisadas (TAPS-R) – Avalia a memória e a audição. Isto inclui a memória da frase, do número e da palavra.

Saiba se você tem Dispraxia

Responda as seguintes questões:

1.Tropeça facilmente nas costas e inclusive nos próprios pés?

2. Tem dificuldade de seguir um mapa?

3. Para ti ainda é difícil diferenciar o lado esquerdo, do direito?

4. Veste as roupas ao avesso?

5. É desajeitado ao dançar?

6. Tem dificuldade em articular bem as palavras e de se expressar como gostaria?

7. Tem alguma dificuldade para se equilibrar, mesmo estando somente parado?

8. Tem dificuldade em jogar bola, seja com as mãos ou com os pés?

9. Dirigir é uma tarefa extremamente complicada para ti?

10. Tem dificuldade para dormir à noite?

11. A sua letra é feia?

12. Seu andar é meio desajeitado?

13. Segurar a caneta pode ser difícil e você não tem certeza se é destro ou canhoto?

14. Fala muito rápido ou muito devagar ou não consegue pronunciar certas palavras?

15. Já foi diagnosticado com outros transtornos como TDAH, autismo, dislexia, síndrome de Aspergers e distúrbios sensoriais, sociais ou de linguagem?

Se você respondeu SIM para a maior parte destas questões é possível que tenha dispraxia. Nesse caso deve buscar ajuda médica para fechar o diagnóstico. Nos adultos, essa dispraxia pode acontecer após um AVC ou um traumatismo craniano.

Confira 10 Exercícios para Dispraxia que melhoram a Coordenação Motora.

Sobre o Autor

Marcelle da Costa

Marcelle da Costa

Fisioterapeuta credenciada, com formação em Psicomotricidade e Desenvolvimento Infantil.
Empreendedora social, prática e sempre pronta a ajudar!