Saúde Infantil

Paralisia Cerebral Infantil

Marcelle da Costa
Escrito por Marcelle da Costa

A paralisia cerebral acontece quando o cérebro da criança, durante a gravidez, momento do parto ou até os 2 anos de idade, deixa de ser devidamente irrigado com sangue, causando uma lesão cerebral grave e permanente, que compromete o desenvolvimento do sistema nervoso central e o desenvolvimento motor desta criança.


As limitações da criança com paralisia cerebral podem ser notadas principalmente à partir dos 6 meses de vida, quando se observa a dificuldade de segurar a cabeça, não sentar e atraso para engatinhar e andar, sendo que nem todas as crianças podem desenvolver a capacidade de caminhar sem apoio.

Fisioterapia para paralisia cerebral

O tratamento deverá ser realizado por toda vida através de sessões de fisioterapia e estimulação psicomotora na infância. As consultas médicas devem acompanhar o indivíduo por toda vida para avaliar os medicamentos que podem ser indicados para controlar a epilepsia, caso essa esteja presente.

A reabilitação através da fisioterapia é de extrema importância e deve iniciar o quanto antes, com o maior número de sessões por semana, que for possível para os pais ou cuidadores. A qualidade da fisioterapia irá interferir diretamente nas capacidades que a criança poderá alcançar.

Há estudos que demostram que os bebês com PC que iniciam a fisioterapia até o 8º mês de vida tem maiores ganhos motores ao longo da vida que as crianças que iniciam a fisioterapia mais tarde.

Os principais objetivos da fisioterapia para PC são aumentar a funcionalidade, melhorar a capacidade motora, a interação social e independência da criança, para que ela seja menos dependente de um adulto nas suas atividades diárias.

A criança com paralisia cerebral consegue andar?

Cerca de 50% das crianças afetadas apresentam dificuldade na aprendizagem e dificuldade para falar, sendo necessário fazer também sessões de fonoaudiologia.

Para que a criança possa conseguir andar, primeiro ela precisa conseguir segurar a cabeça até 1 ano de idade e sentar até os 2 anos. Se estes marcos não forem alcançados dentro deste período, o mais provável é que a criança não consiga caminhar sem nenhum apoio. No entanto, se até os 2 anos for capaz de segurar a cabeça e o equilíbrio do tronco entre 2 e 3 anos, é possível que possa caminhar com ajuda de muletas.

Se até os 3 anos de idade a criança ainda não for capaz de segurar a cabeça e ter um bom controle do tronco estando na posição sentada é pouco provável que consiga andar, mesmo com ajuda de muletas, sendo necessário o uso de cadeira de rodas.

Sobre o Autor

Marcelle da Costa

Marcelle da Costa

Fisioterapeuta credenciada, com formação em Psicomotricidade e Desenvolvimento Infantil.
Empreendedora social, prática e sempre pronta a ajudar!