Atividades NEE

20 Atividades de Motricidade Fina para Crianças com Dislexia

Marcelle da Costa
Escrito por Marcelle da Costa

As crianças com dislexia precisam trabalhar a motricidade fina para conseguirem aprimorar a alfabetização e melhorar a sua caligrafia, já que estas são situações difíceis para eles. Indicamos aqui 20 exemplos de brincadeiras que ajudam a melhorar a motricidade fina, auxiliando no desenvolvimento motor e cerebral da criança disléxica:


  1. Jogos eletrônicos vídeo game;
  2. Atividades escolares em dispositivos eletrônicos, como tablet;
  3. Caça-palavras, forca e palavra-cruzada;
  4. Jogar Scrable;
  5. Desenhar linhas retas num papel;
  6. Abrir e fechar bala, tendo cuidado para não rasgar o papel da bala;
  7. Jogo do bingo;
  8. Fazer desenhos com um cordel;
  9. Pintar as unhas com esmalte, tendo cuidado para não borrar;
  10. Criar o seu próprio calendário de atividades para colar na parede de casa;
  11. Fazer bijuteria com cordel e missangas;
  12. Jogar bolinha de gude (berlindes);
  13. Jogar na mesa de totó (matraquilhos);
  14. Criar roupas de boneca com restos de tecido;
  15. Brincar com legos;
  16. Fazer uma torre com cubos ou enlatados da cozinha;
  17. Colocar a linha na agulha de crochê e tricotar um pouco;
  18. Fazer desenhos circulares com o polegar;
  19. Tocar piano ou teclado;
  20. Resolver labirintos.

Vários estudos já demonstraram que as crianças que apresentam dislexia tem dificuldade de coordenação motora fina nos seguintes movimentos:

  • Utilizar as 2 mãos ao mesmo tempo;
  • Atividades que requerem o contacto da ponta de 2 ou 3 dedos;
  • Movimento de pinça com os dedos polegar e indicador;
  • Movimento de encostar o polegar ao dedo mindinho;
  • Movimentação do punho.

Acredita-se que por estes fatores a caligrafia seja ‘desajeitada’ nestas crianças. As brincadeiras que trabalham as habilidades manuais são de extrema importância para o desenvolvimento infantil, e tem especial relevância em caso de dislexia. Assim, os pais e professores devem estar atentos e criar momentos diários em que estas crianças possam brincar dessa forma. O tempo ideal varia entre 30 minutos a 1 hora por dia, mas desde que a criança esteja gostando do momento, a brincadeira pode se estender por mais tempo. Confira também: 8 dicas que facilitam o ensino de crianças com esta dificuldade de aprendizagem.

Sobre o Autor

Marcelle da Costa

Marcelle da Costa

Fisioterapeuta credenciada, com formação em Psicomotricidade e Desenvolvimento Infantil.
Empreendedora social, prática e sempre pronta a ajudar!