Escola

Lanches Saudáveis para a Escola: ideias práticas e rápidas

Marcelle da Costa
Escrito por Marcelle da Costa

Com a correria do dia a dia é preciso pensar em preparar os lanches da escola de forma prática, mas sem descuidar da importância de que estes sejam realmente saudáveis para o seu filho. Antes de pensar nas combinações deve-se lembrar de que é preciso incluir sempre 1 fruta por dia, uma fonte de carboidrato e para beber, um suco ou iogurte. Algumas boas opções são:


Frutas:

  • Banana;
  • Maçã;
  • Pera;
  • Laranja já descascada e cortada ao meio;
  • 10 unidades de uvas;
  • 8 a 10 unidades de morangos;
  • Pêssego;
  • Um punhado de frutos secos.

Se puder enviar fruta já cortada e pronta para o consumo, melhor. No caso da banana, maçã e pêra, estas oxidam ao serem cortadas, mas passar por um pouco de limão resolve essa situação, embora deixe a fruta mais azeda.

Carboidratos:

  • Fatia de bolo simples, sem recheio ou cobertura;
  • Pão com manteiga, mel, queijo branco…
  • Torrada;
  • Bolinho, queque ou mufin caseiro;
  • Biscoito ou bolacha sem recheio;
  • Panqueca caseira preparada com frutos secos;
  • Pipocas caseira;
  • Pão de queijo.

Sempre que possível evite os carboidratos simples (farinha de trigo comum), preferindo a versão integral destes alimentos, e também evite recheios e coberturas açucaradas.

Bebidas:

  • Suco de fruta preparado em casa;
  • Iogurte natural ou com pouco açúcar;
  • Água de côco;
  • Leite achocolatado ou simples;
  • Chá morno ou gelado;
  • Geléia de mocotó;
  • Gelatina.

Adicionar meio limão espremido numa garrafa de água (sem açúcar) também é uma opção interessante para se refrescar nas aulas.

Outros:

  • Ovo cozido/omelete;
  • Palitinhos de cenoura crua;
  • Tomate cherry.

Normalmente os bebês e as crianças pequenas aceitam melhor estas versões de tomate, cenoura e ovo, porque tem menos preconceitos com a comida. Geralmente após os 7 anos as crianças se tornam mais esquisitas na alimentação e resolvem que já não gostam de certos alimentos que antes apreciavam, mas lembre-se que essa fase passa logo e não deixe de insistir que a criança se alimente de forma saudável. Bons hábitos aprendem-se cedo.

Sobre o Autor

Marcelle da Costa

Marcelle da Costa

Fisioterapeuta credenciada, com formação em Psicomotricidade e Desenvolvimento Infantil.
Empreendedora social, prática e sempre pronta a ajudar!