Saúde Infantil

5 perguntas sobre a Intolerância à Lactose

Avatar
Escrito por Marcelle Pinheiro

Intolerância à lactose é para sempre? Bebê com intolerância à lactose pode mamar no peito? Confira a resposta destas e de outras perguntas!



1. Bebê com intolerância à lactose pode mamar no peito?

Na maior parte das vezes, sim, o bebê com intolerância à lactose pode mamar no peito da mãe, sem problemas. Todavia, existem casos muito raros em que a intolerância à lactose acontece desde o nascimento, impedindo a amamentação. Isso acontece no caso de uma doença genética bastante rara. Nesse caso o bebê tem que tomar uma fórmula sem lactose e não pode ser amamentado, nem tomar leite de vaca.

Os primeiros sintomas de intolerância à lactose podem surgir por volta de 1 à 2 anos de idade, período em que a criança já deve ter tomado bastante leite comum, sem problemas, até que seu intestino deixe de produzir a enzima que digere o açúcar do leite de forma eficiente, gerando a intolerância.

2. Como descobrir a intolerância à lactose na criança?

Os sintomas que estão relacionados com a intolerância à lactose são:

  • Barriga inchada, estufada;
  • Gases com odor intenso e em grande quantidade;
  • Diarreia ácida;
  • Vermelhidão à volta do ânus;
  • Mudança no hálito;
  • Podem surgir algumas feridas na pele.

Quem confirma a intolerância a lactose é o pediatra levando em consideração os sinais e sintomas que os pais informam. Em caso de suspeita é preciso retirar da alimentação da criança o leite de vaca e todos os seus derivados e observar o que acontece. Se houver melhora dos sintomas, pode-se oferecer 1 copo de leite novamente à criança e observar se os sintomas voltam a surgir. Em caso de retorno dos sintomas, a intolerância é confirmada.

3. Intolerância à lactose é para sempre?

Depende. Existem casos em que a intolerância à lactose é passageira, como acontece quando ela se desenvolve depois de uma gastroenterite, por exemplo. Quando o intestino enfrenta alguma doença é provável que fique intolerante, mas nesse caso é passageira e a vida volta ao normal quando a pessoa fica saudável novamente.

A intolerância à lactose é para sempre quando é de origem genética, o que é bastante raro de acontecer.

E pode ter períodos de melhora e de piora ao longo da vida em pessoas que são aparentemente saudáveis. A dificuldade de digerir o açúcar do leite também pode variar de acordo com a quantidade ingerida. Algumas pessoas toleram tomar 1 copo de iogurte natural ou comer 1 pão com manteiga, sem apresentar sintomas a seguir.

4. Afinal, o que é intolerância à lactose?

A intolerância à lactose é a deficiência na digestão do carboidrato (açúcar) presente no leite de vaca, que tornam as fezes ácidas. Ela pode ser de origem:

  • Congênita: quando se deve a uma alteração genética, estando presente desde o nascimento (mais raro);
  • Primária: quando acontece por volta dos 1-2 anos de idade e permanece por toda vida;
  • Secundária: quando acontece após alguma doença no intestino, como Chron, Doença Celíaca, verminoses intestinais, e que pode ter períodos de melhora ou piora.

O diagnóstico pode ser feito através da exclusão dos alimentos com lactose para observação da melhora dos sintomas, através da biópsia do intestino ou através de um teste de respiração. Normalmente o diagnóstico é feito com a exclusão dos alimentos e consequente melhora dos sintomas.

5. Intolerância à lactose tem tratamento?

Não exatamente porque não tem como fazer o intestino digerir o leite de forma adequada. Por isso, a única forma de lidar com esse problema de saúde é excluindo o leite de vaca e todos os seus derivados da alimentação, e em alguns momentos especiais, pode-se tomar comprimidos de lactase, para comer algo com lactose, sem enfrentar seus sintomas a seguir.

Sobre o Autor

Avatar

Marcelle Pinheiro

Fisioterapeuta credenciada, com formação em Psicomotricidade e Desenvolvimento Infantil.
Empreendedora social, prática e sempre pronta a ajudar!