Saúde Infantil

Dor de Ouvido: sintomas e como tratar

Cláudia Pereira
Escrito por Cláudia Pereira

A dor de ouvido é sentida pelas crianças de forma intensa causando sensibilidade na região do ouvido, dor de cabeça e choro fácil. Normalmente a dor de ouvido surge depois de uma gripe ou resfriado, sendo necessário medicamentos indicados pelo médico.


Sintomas de dor de ouvido

A dor no ouvido é o principal sintoma da otite, que é uma infecção bastante comum na infância. Outros sintomas são:

  • Sensibilidade ao toque na região do ouvido;
  • Febre;
  • Coceira no ouvido;
  • Diminuição da audição;
  • Sensação de ouvido tapado;
  • Mal-estar e dor de cabeça que pode causar choro fácil;
  • Irritabilidade;
  • Mudança no padrão do sono;
  • Perda do apetite;
  • Pode haver diarreia;
  • Nos casos mais graves pode haver pus ou mal cheiro.

Se estes sintomas estiverem presentes a criança deve ser levada ao médico o quanto antes, já que há necessidade da toma de remédio antibiótico, porque essa otite não cura sozinha. O médico irá observar a região interna do ouvido com um otoscópio para chegar ao diagnóstico, sem a necessidade de outros exames complementares.

O que causa dor de ouvido

As causas da otite média nem sempre são fáceis de encontrar, mas estão relacionadas com quadro de resfriado pouco tempo antes de iniciar a dor de ouvido, presença de corpo estranho, manipulação indevida como colocar cotonete, caneta ou tampa da caneta ou outro objeto semelhante, ou banhos de piscina.

Em relação as fatores de risco, as crianças com menos de 1 ano de idade são mais propensas a terem dores de ouvido, que podem ocorrer com certa frequência, devido a anatomia da própria criança. As crianças que apresentam fenda palatina, Síndrome de Down, imunodeficiência ou malformação na região da cabeça também tem maiores chances de desenvolver uma otite.

As crianças que frequentam creches e infantários também são mais susceptíveis já que as chances de infecções respiratórias são maiores. Os bebês que tomam mamadeira e que usam chupeta também tem maiores riscos de dor de ouvido, e por isso depois de mamar não se deve colocar o bebê completamente na horizontal, sendo indicado usar uma almofada para que fique recostado.

Tratamento para dor de ouvido

O tratamento deve ser sempre indicado pelo médico, porque a auto-medicação é prejudicial. O médico pode recomendar a toma de um remédio para parar a dor de ouvido, como Novalgina, Dipirona ou Paracetamol, e um antibiótico, como Amoxicilina na forma de xarope ou outro para colocar diretamente na região do ouvido. Estes remédios devem ser administrados nos horários corretos para que tenham o efeito pretendido.

Algumas dicas que podem ajudar são:

  • Coloque a criança na posição mais confortável que seja possível;
  • Deite a criança, mas se a posição horizontal causar mais dor, utilize almofadas para encostar;
  • Administre a dose adequada dos remédios;
  • Utilize água quente, numa botija devidamente protegida, por exemplo, para atenuar a dor. A criança deve deitar o ouvido que dói sobre o quente.

Para além de cuidados médicos procure tranquilizar a criança, conversando, acarinhando ou simplesmente abraçando. Providenciar um ambiente calmo ou com a música favorita também poderá ajudar.

Se a dor de ouvido for causada por mudança de pressão (viagens de avião, atravessar túneis, etc) deve ensinar a criança a aliviar a pressão: a criança deve fechar a boca e tapar o nariz, soprando com força pelo mesmo. Mascar uma pastilha elástica ou chupar uma bala também pode ajudar.

Se a dor de ouvido permanecer por mais de 24 horas não haverá remissão espontânea dos sintomas, havendo necessidade de uso de medicamentos, caso contrário há risco de complicações e de perda da audição.

Bibliografia

  1. Passo, João. Otites na prática clínica: Guia de diagnóstico e tratamento. Ed.Círculo Médico. 2010;
  2. Sish, Tania. Tratado de Pediatria. Otite média aguda. 4ª edição. pg 1657- 61.

Sobre o Autor

Cláudia Pereira

Cláudia Pereira

Educadora Social, formadora certificada, especialista em educação, dificuldades de aprendizagem e necessidades educativas especiais.
Empreendedora digital, criativa e apaixonada por implementar novas ideias!