Autismo NEE Saúde Infantil

Autismo: atividades de fisioterapia para crianças com TEA

Marcelle da Costa
Escrito por Marcelle da Costa

As atividades de fisioterapia são importantes no caso de Transtorno Espectro Autista, principalmente na idade escolar, período em que se pode notar crianças apáticas, com pouco interesse pelos movimentos, posturas viciosas (que podem favorecer a instalação da escoliose na adolescência) e dificuldade em iniciar um movimento ou, pelo contrário, hiperativas, mas sem interesse concreto por objetos ou pessoas.


As atividades devem ser realizadas diariamente, a fim de que a criança alcance mais rapidamente os objetivos esperados no seu desenvolvimento. Cerca de 1 ou 2 vezes por semana é recomendado que as atividades sejam realizadas, com a supervisão de fisioterapeuta e nos outros dias da semana podem ser realizados em casa.

Exemplos de atividades para Transtorno Espectro Autista

Algumas atividades que podem ser realizadas em casa são:

  • Subir e descer um degrau para estimular as reações de equilíbrio;
  • Cantar ou conversar enquanto bate palmas, os pés e brincadeiras com música para trabalhar a noção de ritmo e de espaço temporal;
  • Jogos de encaixe, blocos, separar por cores, fazer furos numa placa de isopor com um lápis, para trabalhar a motricidade fina;
  • Brincar de vivo ou morto, jogar bola, circuito motor onde é preciso subir um degrau, saltar um brinquedo, abaixar para pegar algo do chão, subir na ponta dos pés para alcançar um outro objeto, para melhorar a motricidade global;
  • Correr para frente para trás e para os lados, andar ou correr sobre superfícies diferentes, como num colchão, depois na terra e na grama, para estimular o equilíbrio;
  • Fazer um quebra-cabeça, separar brinquedos por grande – pequeno – mole – duro, para estímulo de orientação espacial;
  • Jogos de arremesso com bola, pular num pé só, brincar com binóculo, olhar no olho mágico, fazer jogos de encaixe, para trabalhar a noção de lateralidade;
  • Atividades com espelho, levantar um braço ou uma perna de cada vez, fotos de amigos e dos pais e familiares, pintar partes do corpo, fazer desenho contornando as mãos ou pés, para estimular o esquema corporal.

Este tipo de exercícios/brincadeiras ajudam o desenvolvimento motor e cerebral da criança, melhorando a sua qualidade de vida e o cuidar dela. Os resultados são progressivos, o que indica que não surgem com apenas algumas semanas de atividades, sendo necessário manter as atividades de forma regular até que os objetivos seja alcançados. Esse tempo varia de uma criança para outra e dura, em média, 5 anos.

Benefícios das atividades para crianças com TEA

O desenvolvimento motor da criança tem ação/reação diretamente no cérebro, assim, à medida que são realizadas atividades que estimulam o seu desenvolvimento motor, o cérebro da criança vai se organizando de forma adequada, melhorando não só os movimentos, mas a sua forma de estar e de reagir ao que acontece à sua volta.

Os principais benefícios das atividades são:

  • Melhora da força muscular;
  • Melhora do controle dos braços;
  • Melhora do equilíbrio e lateralidade;
  • Melhora da reação de proteção ao cair;
  • Aumento do foco e da atenção;
  • Movimentos mais coordenados;
  • Maior vínculo entre a criança e sua mãe (se ela participar das atividades);
  • Melhora das atividades motoras finas: vestir, calçar, escovar os dentes, pentear o cabelo, desenhar, escrever, manusear um copo com líquidos para beber;
  • Maior noção de espaço à sua volta, o que a vai ajudar a não esbarrar nas outras crianças ao correr ou brincar, e não esbarrar nas paredes, por exemplo;
  • Diminuição dos movimentos estereotipados.

A forma como são realizadas estas atividades também é de extrema importância porque o toque, o sorriso, o falar e a forma de olhar para esta criança são vitais para o seu desenvolvimento intelectual e emocional.

Embora não seja o desejo de nenhuma mãe ter um filho com Transtorno do Espectro Autista, esta deve cuidar de suas emoções e buscar ajuda para si, para poder oferecer o melhor de si mesma ao seu filho, caso contrário, o desenvolvimento desta criança pode ser muito limitado, o que dificulta até mesmo o cuidar dela no seu dia a dia.

Sobre o Autor

Marcelle da Costa

Marcelle da Costa

Fisioterapeuta credenciada, com formação em Psicomotricidade e Desenvolvimento Infantil.
Empreendedora social, prática e sempre pronta a ajudar!