Escola Parentalidade

O que é o Cyberbullying e como Evitar?

Cláudia Pereira
Escrito por Cláudia Pereira

O Cyberbullying – violência manifestada virtualmente – é uma realidade cada vez mais comum, atingindo crianças e adolescentes de diferentes contextos sociais, independentemente da sua personalidade ou sucesso escolar.



Estudos realizados pela ONG britânica Ditch the Label revelaram que 50% das pessoas entrevistadas sofreram de bullying e assédio nas redes sociais. As pessoas mais visadas têm entre os 16 e os 20 anos de idade.

O que é o Cyberbullying?

O cyberbullying acontece quando uma criança ou adolescente recorre à tecnologia para ameaçar, atormentar, humilhar ou intimidar outra criança ou adolescente através das muitas ferramentas da nova era digital.

Este fenómeno recente surgiu com o crescimento das redes sociais, sites de partilha de fotos, mensagens e imagens de telemóvel e gravações em formato mp3, que são utilizados para desvirtuar e denegrir a realidade, pondo em causa a intimidade e a reputação da criança ou do adolescente.

As redes sociais são um campo fértil para o cyberbullying, que pode ser ainda mais agressivo do que a sua forma comum.

Como Funciona o Cyberbullying?

Da mesma forma que o bullying, a agressão no ambiente cibernético caracteriza-se pelo envolvimento de três partes: a vítima, o agressor e o cúmplice. No entanto, é uma forma de agressão mais poderosa que o bullying convencional.

No bullying convencional, as ofensas e agressões estão restritas ao ambiente escolar, no entanto no cyberbullying, elas podem ser feitas a qualquer hora e de diversas formas (espalhar comentários maldosos pelas redes sociais  ou mensagens de telemóvel, por exemplo), podendo atingir um número muito maior de pessoas com uma duração difícil de precisar. Por exemplo, um comentário, fotografia ou vídeo postado hoje, pode estar presente nas redes sociais por tempo indeterminado.

Outro fator que torna o cyberbullying mais agressivo é o facto do agressor ser anónimo, permitindo comportamentos difamatórios mais agressivos.

Visualize este vídeo para perceber o impacto que o cyberbullying pode ter na vida dos mais novos:

Como Identificar se a Criança sofre de Cyberbullying?

É possível identificar se a criança está a sofrer de cyberbullying. A melhor forma é prestar atenção ao comportamentos da criança. Por exemplo, se a criança apresenta um comportamento depressivo, tendência ao isolamento e passa muito tempo online, poderá ser indicativo que está a ser vítima de cyberbullying. Estes poderão ser os sinais:

  • Poucas amizades;
  • Baixa auto-estima;
  • Baixo rendimento escolar;
  • Simulação de doenças para evitar ir para a escola;
  • Sentimento constante de insegurança;
  • Baixa sociabilidade;
  • Presença de dificuldades de aprendizagem (hiperatividade, dislexia, etc);
  • Presença de diferenças susceptíveis de gozo ou agressão (obesidade, deficiências físicas, etc).

O cyberbullying existe e deve ser levado a sério pelos pais e educadores, pois é nocivo para as crianças.

Como Evitar o Cyberbullying?

Para evitar este tipo de agressão virtual, a vigilância dos pais é extremamente importante. Os especialistas aconselham o seguinte:

  • Monitorize a utilização da internet por parte das crianças (por meio do histórico do navegador);
  • Bloqueie o acesso a sites inapropriados;
  • Ensine a criança a não deixar nenhuma palavra passe sua noutros computadores que não o seu;
  • Proporcione conversas em família sobre o bom uso da internet e dispositivos eletrónicos;
  • Ensine as crianças a não aceitar convites de estranhos nas redes sociais;
  • Motive as crianças a não publicar fotografias e vídeos pessoais na rede;
  • Ensine a criança a respeitar todos e a tecer apenas comentários não ofensivos.

Cyberbullying pode ser considerado crime. Emails, mensagens e vídeos agressivos podem ser considerados provas numa denúncia junto de uma autoridade.

Sobre o Autor

Cláudia Pereira

Cláudia Pereira

Empreendedora Social, formada em Educação Social pela Escola Superior de Educação do Porto desde 2002.
Formadora certificada, com experiência em educação de crianças e adultos, dificuldades de aprendizagem e necessidades educativas especiais.