Saúde Infantil

Candidíase: tudo sobre o “sapinho” na boca do bebê

Marcelle da Costa
Escrito por Marcelle da Costa

O chamado ‘sapinho’ é uma infecção fúngica que afeta a boca do bebê levando ao surgimento de placas esbranquiçadas na língua, céu da boca e bochechas. Seu tratamento deve ser feito com o uso de antifúngicos orais indicados pelo médico pediatra.


Sinais e sintomas de sapinho na boca do bebê

A candidíase oral, o popular ‘sapinho’ manifesta-se através dos seguintes sinais e sintomas:

  • Placas esbranquiçadas na boca, afetando língua, céu da boca e interior das bochechas, que não saem ao esfregar;
  • O bebê pode se mostrar irritado e chorar ao mamar;
  • Pode causar febre.

Ao observar que a região bucal encontra-se desta forma os pais devem levar o bebê para ser visto pelo médico, que deverá orientar o tratamento para curar a candidíase oral infantil.

Tratamento para sapinho na boca do bebê

Normalmente o tratamento aconselhado pelo médico é o uso de uma pomada ou creme com ação antifúngica que deve ser aplicado diretamente na boca do bebê como Nitrato de Miconazol gel 2% (20 mg/g), 1,25 mL, 4 vezes ao dia, por 14 dias ou Nistatina solução aquosa 100.000 UI/mL, 2 mL, 4 vezes ao dia, por 14 dias.

Durante este período de tratamento os pais devem ter o cuidado de lavar e ferver durante 1-3 minutos (após começar a ferver) utensílios como a chupeta e o bico da mamadeira, que podem estar infectados com fungos.

O que causa sapinho no bebê?

A baixa imunidade do bebê facilita o desenvolvimento de fungos na região bucal e além disso, sempre que o bebê apresenta esta doença e for amamentado o médico também deve verificar as mamas da mãe, porque ela pode estar com uma infecção fúngica que esteja contaminando o bebê.

Raramente a candidíase mamária causa placas esbranquiçadas nos mamilos, mas estes podem se mostrar avermelhados, e surgirem sensação de queimação e fisgadas durante e após dar de mamar. Caso fique confirmada a candidíase mamária o tratamento recomendado é a toma de antifúngicos orais, sendo recomendado não amamentar durante alguns dias até a resolução do quadro. Nesse período a mãe pode retirar manualmente o excesso de leite durante o banho para ficar mais confortável.

Sobre o Autor

Marcelle da Costa

Marcelle da Costa

Fisioterapeuta credenciada, com formação em Psicomotricidade e Desenvolvimento Infantil.
Empreendedora social, prática e sempre pronta a ajudar!