Musicoterapia – Efeitos Fisiológicos

Os efeitos fisiológicos da musicoterapia são bem visíveis no corpo humano, nomeadamente com a pressão sanguínea, com o ritmo cardíaco, com a  respiração e com a resposta galvánica da pele e nível condutor da mesma:

  • Afecta a pressão sanguínea, a velocidade do sangue e o fenómeno eléctrico do músculo cardíaco;
  • Uma música estimulante tende a incrementar o ritmo cardíaco e o pulso, enquanto que uma uma música calma tende a diminuí-lo;
  • Qualquer música, calma ou estimulante, tende a aumentar o ritmo cardíaco e o pulso;
  • A aceleração do ritmo cardíaco está intimamente relacionada com o tom, com o aumento da complexidade dos elementos musicais da composição e com o tempo;
  • O ritmo cardíaco e o pulso aceleram com o aumento do pulso e decrescem com o tempo mais lento;
  • Uma música estimulante tende a aumentar a respiração, ao passo que uma música calma torna-a mais lenta;
  • A tonalidade, a melodia e o ritmo afectam a resposta galvánica da pele;
  • A interrupção ou aceleração do nível condutor da pele está relacionado  com o tempo, a tonalidade e o aumento da complexidade da composição musical.