Dia de Portugal

O Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas celebra-se a 10 de Junho. É um feriado importante na cultura portuguesa que relembra a importância do país, da Língua Portuguesa e do cidadão nacional.

Durante o Estado Novo e até à Revolução dos Cravos em 25 de abril de 1974, este dia era celebrado como o “Dia da Raça Portuguesa”. Após a revolução do 25 de abril a celebração do dia passou a prestar homenagem a Portugal, a Camões e às Comunidades Portuguesas.

Atividades para o Dia De Portugal

Neste dia o Presidente da República e altas individualidades do Estado participam em cerimónias de comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, distinguindo indivíduos pelo seu trabalho em nome da nação.

Este poderá ser um bom dia para ensinar as suas crianças um pouco sobre o país onde vivem, a sua cultura e história. Deixamos sugestões de atividades que poderá fazer:

  • Visite Museus da sua cidade;
  • Faça um percurso histórico adequado à idade dos mais pequenos;
  • Crie, em conjunto com as crianças, uma dramatização de uma parte da história de Portugal;
  • Pinte a Bandeira Portuguesa com os mais novos;
  • Crie instrumentos reciclados para tocar o Hino Nacional;
  • Junte-se às festividades anuais do Estado.

Existem diversos símbolos que representam o país e por isso estão presentes nas celebrações deste dia. Salientamos a Bandeira Portuguesa e o Hino Nacional.

Bandeira Portuguesa

A Bandeira Nacional basicamente está dividida em duas cores fundamentais: verde escuro (lado esquerdo) e escarlate (lado direito). Na sobreposição das duas cores situa-se uma esfera manuelina e o escudo das armas nacionais em amarelo e preto.

Hino Nacional

A Portuguesa, com letra de Henrique Lopes de Mendonça e música de Alfredo Keil, é o Hino Nacional. Usufrua da letra e do vídeo com a música:

Música do Hino Nacional

Letra do Hino Nacional

Heróis do mar, nobre povo,
Nação valente, imortal,
Levantai hoje de novo
O esplendor de Portugal!
Entre as brumas da memória,
Ó Pátria sente-se a voz
Dos teus egrégios avós,
Que há-de guiar-te à vitória!

Às armas, às armas!
Sobre a terra, sobre o mar,
Às armas, às armas!
Pela Pátria lutar
Contra os canhões marchar, marchar!

Desfralda a invicta Bandeira,
À luz viva do teu céu!
Brade a Europa à terra inteira:
Portugal não pereceu
Beija o solo teu jucundo
O Oceano, a rugir d’amor,
E teu braço vencedor
Deu mundos novos ao Mundo!

Às armas, às armas!
Sobre a terra, sobre o mar,
Às armas, às armas!
Pela Pátria lutar
Contra os canhões marchar, marchar!

Saudai o Sol que desponta
Sobre um ridente porvir;
Seja o eco de uma afronta
O sinal do ressurgir.
Raios dessa aurora forte
São como beijos de mãe,
Que nos guardam, nos sustêm,
Contra as injúrias da sorte.

Às armas, às armas!
Sobre a terra, sobre o mar,
Às armas, às armas!
Pela Pátria lutar
Contra os canhões marchar, marchar!