Daymond John é Disléxico

 

Daymond John é Disléxico. Ele é um empreendedor bem sucedido, autor e investidor no programa televisivo Shark Thank. E também tem dislexia. E não esconde o fato de ter dislexia, pelo contrário assegura que foi um fator diferenciador no seu sucesso empresarial.

“Foi frustrante,” refere numa entrevista. “Eu tinha de ler um livro três ou quatro vezes para entender o que estava escrito enquanto que os meus colegas percebiam à primeira.”

Ele refere que a sua mãe foi uma grande fonte de apoio: “A minha mãe sempre foi a minha maior motivadora. Ela foi capaz de me ajudar a ser excelente apesar das minhas diferenças. Eu era melhor a ler em alta voz, por isso ela pedia para eu ler o jornal todos os domingos de manhã enquanto cozinhava. Parecia que eu estava  fazer-lhe um favor, a ajudá-la a preparar-se para o trabalho no dia seguinte e por isso nunca senti que era um trabalho de casa. Fez com que praticasse a leitura sem me aperceber disso.”

John descobriu que era disléxico já na idade adulta e refere que o diagnóstico foi um verdadeiro alívio: “Finalmente compreendi porque tinhas as dificuldades que tinha.”

Neste momento ele  conseguiu usar a dificuldade como vantagem. “Eu vejo o mundo de uma forma diferente da maioria das pessoas e para mim isso é uma coisa positiva.”

Daymond John e Dislexia

“Sempre que um episódio do Shark Tank vai para o ar eu menciono que sou disléxico. E por isso sou questionado por muitos pais acerca disso. E também recebo muitas manifestações de carinho por parte de disléxicos, porque eles sabem que a dislexia não é uma fraqueza, é apenas uma forma diferente de aprender.

Algumas pessoas acham que estou a brincar. Mas não é o caso, é um assunto sério especialmente para as nossas crianças. Não porque é uma doença escondida ou porque é uma outra palavra para burro. Estas duas afirmações não poderiam estar mais longe da verdade. A razão pela qual a dislexia é um assunto sério é porque muitos pais, educadores e crianças têm pouco conhecimento acerca da mesma.

Isto resulta numa auto-estima danificada. Muitas vezes as crianças com dislexia são intituladas de estúpidas e com o tempo acambam por acreditar que isso é verdade. No momento em que acreditam que são estúpidas e que não são inteligentes como as outras crianças, acabam por desistir e dificilmente alcançarão algo na sua vida.

Se não tiverem um grupo de suporte, poderão evitar a escola para evitar a vergonha. Se evitarem a escola, poderão formar amizades com outros que também não têm qualquer desejo de ir para escola, que muitas vezes cresceram em circunstâncias menos felizes. Não tiveram pais que apoiaram, oportunidades, recursos, amigos e família que cuidaram e amaram da forma que qualquer criança precisa.

Mais tarde ou mais cedo o disléxico vai perceber que é bom em áreas específicas como matemática, artes ou ciências. Com esta nova descoberta de que não estúpidos, começam a ser o centro das atenções das pessoas com as quais estão envolvidas. Muitas vezes disléxicos são muito criativos e esperamos que o círculo de pessoas onde se encontram no momento são artistas, escritores, poetas, designers, etc. Infelizmente muitas vezes o círculo de pessoas ao seu redor é o pior pesadelo dos pais! Este tipo de história nunca acaba bem.

E porque falo sobre isto? Porque sou disléxico e pai. E como pais todos nós queremos o melhor para os nossos filhos.
Dislexia é algo que é difícil identificar como pai. Apesar de ser disléxico demorei anos a perceber que uma das minhas filhas é disléxica. E nem fui que identifiquei!

Ao contrário de hiperatividade ou outras dificuldades que as crianças enfrentam, não se pode simplesmente ir ao médico, tomar uns comprimidos, acalmar a crianças e mudar o seu comportamento. Se a criança tem dislexia, a solução é mais educação. Como não existe cura, as farmacêuticas não podem ter lucro . Por isso não investem em publicidade para enumerar os sintomas ou formas de diagnóstico porque não possuem medicamentos.

É mesmo assim. Se uma criança tem dislexia não existem atalhos ou cura. É preciso aprender a forma como ela aprende e ajudar no seu processo de aprendizagem de forma eficiente e eficaz.